Com crise hídrica, Aneel mantém em agosto bandeira vermelha 2, a mais cara

A bandeira vermelha 2 é a mais cara das tarifas extras

Por Ronaldo Costa Josino 31/07/2021 - 16:38 hs

A Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) anunciou na sexta-feira, 30, que vai manter em agosto a bandeira vermelha 2, em vigor desde junho, em meio a uma seca histórica na região das hidrelétricas.

A bandeira vermelha 2 é a mais cara das tarifas extras, e representa uma cobrança adicional de R$ 9,492 para cada 100 kWh consumidos.

“Em julho, as afluências nas principais bacias hidrográficas do Sistema Interligado Nacional (SIN) continuam entre as mais críticas do histórico. Agosto inicia-se com igual perspectiva hidrológica, com os principais reservatórios do SIN em níveis consideravelmente baixos para essa época do ano”, diz a agência.

A mudança vem num momento em que os principais reservatórios de água no país estão num nível crítico, devido à falta de chuvas. Esse cenário faz com que o governo tenha que recorrer a usinas térmicas, que têm um custo maior de geração. O custo extra é repassado aos consumidores finais por meio da mudança da bandeira tarifária.

Só na primeira semana de agosto, o custo de operação do sistema com o acionamento de termoelétricas deverá subir 105,02%, segundo cálculos divulgados nesta noite pelo Operador Nacional do Sistema Elétrico (ONS).

Siga-nos no instagram: @diariodegrossos.

Racionamento

Apesar do cenário de crise, o governo federal afasta a possibilidade de um racionameno de energia. Em entrevista à CNN nesta sexta-feira, o ministro de Minas e Energia, Bento Albuquerque, afirmou que “não haverá racionamento e trabalhamos para que não haja risco de apagão.”

Ele explicou que a pasta trabalha junto com as indústrias para evitar que “haja concentração de demanda energética em horários que levaria a apagão, estamos conversando com a indústria para que dentro das necessidades escolhermos o descolamento, ou eles mesmos, com devidas compensações para o sistema elétrico”.

 CNN Brasil).