Estrada de Ferro de Mossoró a Porto Franco. 37 Km de história.

Grossos, Minha Terra, Minha História.

Por Ronaldo Costa Josino 09/10/2021 - 21:13 hs

A estrada de Ferro de Mossoró foi uma ideia do suíço João (Johan) Ulrich Graff, grande comerciante em Mossoró que percebendo as grandes riquezas minerais da região e força comercial de Mossoró obteve do império a concessão para construir a ferrovia em 1875 com todos os privilégios de uso e gozo da mesma, no entanto sua morte não possibilitou o inicio dos trabalhos. Somente em 1910 é que se inicia a construção da ferrovia já como  concessão estadual dada a firma Albuquerque & Cia.

A ferrovia tinha uma anomalia pitoresca em administração, até meados da década de 1940.de Porto Franco à Mossoró era controlada pela firma Saboya&Cia e desta em diante foi encampada pelo governo federal como forma de socorrer as vitimas da seca na região.

No Rio Grande do Norte os trilhos chegaram até Alexandria e em 1953 chegaram a Souza-PB onde se entroncava com a Rede de Viação Cearense-RCV.

A ideia original era que a ferrovia ligasse o litoral ao sertão nordestino atingindo o vale do rio São Francisco em Juazeiro-BA com 700 km de extensão caso viesse a se consolidar a ideia. No entanto a Estrada de Ferro de Mossoró estacionou em pouco mais de 300 km, em território potiguar 280 km.

Se tomada como ferrovia estadual poderíamos também chamá-la de Estrada de Ferro Areia Branca (na época Grossos não era cidade)  a Alexandria, se tomada do ponto de vista regional pelo nome que é mais conhecida, ou seja, Estrada de Ferro Mossoró-Souza.

Em 1958 foi incorporada a RFFSA condição vigente até inicio da década de 1990 quando o ramal Mossoró a Souza foi desativado.

A estação de Porto Franco

Voltemos nossa atenção a estação de Porto Franco em Areia Branca a época da inauguração da ferrovia, Lembrando mais uma vez que nessa época Grossos pertencia a Areia Branca.

O município era produtor de sal, algodão, mandioca, cana-de-açúcar, etc. Tinha uma população estimada em 5.000 habitantes, tendo a vila 3.000 habitantes. Era para Porto Franco que convergiam as mercadorias produzidas na região salineira da vale do Apodi.

O trafego entre Porto Franco e Mossoró era operacionalizado inicialmente pela firma Companhia Estrada de Ferro de Mossoró da firma Albuquerque & Cia, que depois passou a concessão para a firma Saboya & Cia.

O trafego nesse trecho ocorreu até meados da década de 1960 quando uma resolução de 1964 suspendeu os trens de passageiros entre essa estação e a de Mossoró continuando somente com o transporte de cargas, como algodão e sal.

O transporte de passageiros ficou sendo a partir da estação de Mossoró.

Dizem algumas pessoas da região que a maresia muito contribuía para danificar os trilhos do trecho entre Porto Franco e Mossoró e o trecho foi desativado seus trilhos foram arrancados em praticamente todo o percurso.

A  ferrovia usava a bitola de trilho de 1 metro, que era o espaçamento entre os trilhos. A bitola de 1 metro usavam vagões mais estreitos e com menos estabilidade, limitando a velocidade para em média 45 km/h.

Atualmente no antigo caís de atracagem (Porto Franco) funciona uma bomba de sucção de água do mar para uma salina que se encontra adjacente ao antigo local. (Salmar)

A baixo o cais de atracação da Estrada de Ferro de Mossoró em Porto Franco percebendo toda a estrutura ferroviária que havia no local como os guindastes e gruas de embarque, os trilhos e um vagão. A imagem é da década de 1940, possivelmente de 1945. 

Informações extraída do blog Crônicas taipuenses - João Santos.

Autoria desconhecida.Acervo do autor do blog.

     Já na imagem seguinte vês-se o embarque de sal em Porto Franco também na década de 1940.
Fonte: o baú de Macau.
 
  Aqui vemos as ruínas do cais de atracação da Estrada de Ferro de Mossoró em Porto Franco, atualmente no município de Grossos.

Fonte: Ângelo Vale.
         
Abaixo detalhe de um dormente e prego que era da linha da Estrada de Ferro de Mossoró em Porto Franco.
Fonte: Ângelo Vale.
           
Aqui as ruínas vista em direção ao porto.
Fonte: Ângelo Vale.
           
 Uma cerca feita com os dormentes retirados da linha que existia em Porto Franco.
Fonte: Ângelo Vale.
         
Detalhe de um dormente da linha existente em Porto Franco.
Fonte: Ângelo Vale.
          
A vista de Porto Franco a partir do rio.Dá pra vê a estrutura do antigo cais de atracação da Estrada de Ferro de Mossoró.
Fonte: Ângelo Vale.