Calçamento a ‘BRIPAR’. Você sabe como é?

Por Ronaldo Costa Josino 23/11/2021 - 15:17 hs

Esta semana a prefeita do município de Grossos, Cinthia Sonale anunciou obras de recuperação para os calçamentos das comunidades de Córrego, Valença e Barra. A obra orçamentada em quase 500 mil diz que será no método a Bripar. (Veja aqui)

O termo Bripar chamou a atenção de muitas pessoas que imediatamente ligaram para saber o que era calçamento a Bripar.

 

Curiosidade aparte, vamos as explicações.

 

Nas áreas urbanas, principalmente nos diversos municípios do Rio Grande do Norte, a pavimentação a paralelepípedos é bastante comum em ruas e avenidas onde o tráfego permite e onde há material disponível para a utilização.

 

Siga-nos no instagram @diarodegrossos para saber mais.

 

Esse tipo de pavimentação - a paralelepípedo - consiste basicamente em assentar paralelepípedos devidamente rejuntados sobre um colchão de areia limpa e isenta de matérias orgânicas. No entanto, há dois modos (métodos) de executar essa pavimentação.

 

 

Método Convencional - Neste método, que e mais usado em algumas cidades devido a facilidade da matéria prima,  as juntas do pavimento (dos paralelepípedos) são preenchidas com argamassa de cimento e areia no traço de 01 saco de cimento para 03 de areia. Este método foi muito usado nos calçamentos, por exemplo, das ruas de Grossos na gestão de Francisco Oliveira (Duquinha).

 

O método Bripar - Este tem a mesma desenvoltura no assentamento dos paralelepípedos, no entanto os materiais utilizados na execução do rejunto das pedras é que mudam.

 

Neste método consiste em preencher as juntas entre os paralelepípedos com brita ou cascalhinho e utiliza o betume (Emulsão asfáltica) para fixação.

 

A diferença:

 

O método Bripar dar mais consistência, prolonga a vida da obra, da sensação de maciez para os veículos e não absorve água, fazendo ela escorrer completamente e em períodos secos, não soltam tanta poeira, além de favorecer a visibilidade.

Detalhe:

 

O inventor desse processo de calçamento foi um potiguar, o senhor e engenheiro civil Milson Dantas em 1958.

 Método Bripar.