Ao contrário de Grossos, oposição de Mossoró articula união para derrotar Rosalba em 2020

“Nós temos que construir a mudança que a gente quer pra Mossoró. Política a gente não constrói sozinho”, disse Allyson Bezerra

Por Ronaldo Costa Josino 05/11/2019 - 09:35 hs

Integrantes da oposição estudam se aliar em Mossoró, no Oeste Potiguar, com o objetivo de derrotar nas eleições de 2020 a atual prefeita, Rosalba Ciarlini (Progressistas), provável candidata à reeleição. Nomes de todos os espectros políticos – da esquerda à direita, passando pelo centro – têm alimentado os rumores de que um “chapão” poderá ser construído para alternar o poder na segunda maior cidade do Estado.

Na última sexta-feira, 1º, houve mais uma mostra da aproximação. Um encontro do partido Solidariedade reuniu, além de representantes da legenda, outros nomes da oposição a Rosalba. Nos discursos, todos defenderam a possibilidade de união. Pré-candidato pelo partido anfitrião do evento, o deputado estadual Allyson Bezerra defendeu a união. “Nós temos que construir a mudança que a gente quer pra Mossoró. Política a gente não constrói sozinho”, afirmou.

Colega dele na Assembleia Legislativa, a deputada estadual Isolda Dantas (PT) – que também é cotada para disputar as eleições de 2020 – declarou que a união da oposição é possível, apesar das divergências. “A cada encontro que tem, a gente prova que temos divergências. E é para ter mesmo, porque na política tem que ter. Mas nós que estamos aqui sabemos a necessidade de Mossoró. E Mossoró tem que mudar”, ressaltou a petista.

Líderes do PL em Mossoró, os empresários Jorge do Rosário e Tião Couto, que foram candidatos nas eleições passadas – com Tião na cabeça da chapa e Jorge, vice –, também falaram sobre o assunto. “Estamos aqui para discutir, fazer um projeto sustentável de desenvolvimento econômico e social para nossa cidade. Mossoró é uma cidade rica e que não tem um projeto de desenvolvimento”, defendeu Jorge. “Não é apenas oposição, mas sim um grupo de pessoas que pensam diferente. Olhamos para Mossoró diferente e acreditamos que é possível mudar pela política a nossa cidade”, complementou.

Presidente do diretório municipal do PSL – mesmo partido do presidente Jair Bolsonaro, o médico Daniel Sampaio disse que a “paciência do povo esgotou”. “Esse grupo já se reuniu várias vezes, e o entendimento não mudou. O entendimento é trazer novos ares para a cidade. Vendo essa empolgação toda, eu tenho uma convicção, e essa convicção fica mais forte cada vez que esse grupo se reúne. A convicção de que Mossoró vai sim mudar”, declarou.

Agora RN.

Nota: Em Grossos o caso é totalmente o avesso e parece que a "lição" das eleições passada não serviram como aprendizagem. No momento, dois grupos oposicionista dividem a opinião da atual oposição. 

No entanto ainda existe a esperança que haja um entendimento entre ambas as partes e que saia somente uma chapa forte.

Caso esse entendimento aconteça, a vitória é certa.