Educação e emprego foram os mais impactados pela pandemia nos municípios

Por Ronaldo Costa Josino 07/10/2020 - 04:22 hs

Educação e emprego foram os mais impactados pela pandemia nos municípios
Foto ilustração de lojas fechadas.

Educação e emprego foram as áreas mais impactadas pela pandemia da covid-19 coronavírus no âmbito dos municípios brasileiros. Os dados são da pesquisa Programa Impactos da Covid-19 nos Municípios, do Ibope Inteligência e do Programa Cidades Sustentáveis.

O levantamento foi feito com prefeitos, secretários e gestores de 302 municípios. O objetivo foi mapear ações que vêm sendo tomadas pela gestão pública municipal para o enfrentamento da pandemia e quais os impactos já sentidos pelas cidades.

Praticamente 7 em cada 10 prefeituras avaliam como muito alto ou alto os impactos da pandemia nas contas públicas e 1/4 relataram que o impacto é médio. Em 73% das cidades, a pandemia afetou muito os programas e medidas previstos para o desenvolvimento dos municípios e em 27% afetou pouco.

A diretora de políticas públicas do Ibope Inteligência, Patrícia Pavanelli, destacou que a grande maioria (82%) concorda que a desigualdade social ficou ainda mais evidente durante este período de pandemia.

“A suspensão das aulas, as campanhas de prevenção, a proibição de grandes eventos e aglomerações, a criação de políticas de assistência social às pessoas mais vulneráveis, incluindo a distribuição de cestas básicas, os investimentos emergenciais na área da saúde estão entre as medidas mais adotadas pelas prefeituras”, disse Patrícia.

A pesquisa também mostrou que cerca de 2/3 dos municípios encontram alguma dificuldade para disponibilizar testes de sorologia e o RT-PCR para detectar a covid-19 para a população. Cerca de 6 em cada 10 têm dificuldade para disponibilizar testes rápidos, medicamentos e insumos para o tratamento dos sintomas de pessoas com suspeita ou confirmação de covid-19.

Por outro lado, 51% do universo de cidades pesquisadas disseram não ter nenhuma dificuldade em disponibilizar os EPIs (equipamentos de proteção individual) aos profissionais da saúde. Outros 38% informaram ter alguma dificuldade e 11% revelaram ter muita dificuldade de fornecer os EPIs.

Quase a metade dos gestores avalia que a violência contra a mulher se manteve estável durante a pandemia, enquanto aproximadamente 2/5 afirmaram que houve aumento de casos. Oito em cada 10 municípios têm 1 canal ou algum outro meio para receber denúncias de casos de violência contra a mulher.

Os municípios brasileiros têm uma capacidade média de enfrentamento à pandemia da covid-19, segundo metodologia desenvolvida pelo Programa Cidades Sustentáveis e pelo Ibope Inteligência. O Índice das Cidades no Enfrentamento da Covid-19 (Icec) considera os resultados de 54 itens apurados durante a coleta dos dados e medidas adotadas na tentativa de minimizar os impactos econômicos.

O Icec apurou que mais de 30% dos municípios têm capacidade alta de lidar com a pandemia. Dois em cada 3 dos municípios da região Sudeste estão no agrupamento de capacidade média; nas regiões Nordeste, Norte e Centro-Oeste, as cidades se dividem quase que na mesma proporção entre o grupo de capacidade média e o de capacidade alta.

Para o coordenador-geral do Programa Cidades Sustentáveis, Jorge Abrahão, o país já enfrentava 1 período pré-pandemia de grande desigualdade social e com a economia em dificuldade, o que já trazia pressão nas contas públicas dos municípios. “Quando entramos na pandemia, tudo isso acaba de alguma forma se acirrando”.

As entrevistas foram realizadas de 27 de julho a 14 de setembro e a amostra considera as proporções de região, porte e condição dos 302 municípios. A margem de erro é de 6 pontos percentuais e o índice de confiança é de 95%. A iniciativa tem a parceria do projeto CITInova e o apoio da FNP (Frente Nacional de Prefeitos), ABM (Associação Brasileira de Municípios) e Instituto Arapyaú.

Agência Brasil.